Excesso de telas: jogos de tabuleiro e cartas são alternativa

Karla Badaró My Toy Brinquedos

Proprietária da My Toy Brinquedos, Karla Badaró Verbena, afirma que mais da metade dos pais tem mostrado preocupação com o excesso de jogos eletrônicos

Preocupados com o uso excessivo das tecnologias, uma parcela crescente de pais tem procurado brinquedos não eletrônicos, como cartas, bonecas e jogos de tabuleiro. A observação é da proprietária da My Toy Brinquedos, Karla Badaró Verbena. “Ainda vemos muitos pais incentivando os filhos a ficarem no celular porque não querem ter trabalho, infelizmente. Mas vejo que uns 60% buscam alternativas fora dos eletrônicos”, afirma.

Karla treina seus funcionários e oferecerem sempre opções que não apenas distraiam, mas que também gerem aprendizado e bons momentos de socialização. “Eu sempre oriento os funcionários a indicarem brinquedos que agreguem tempo em família, adoro brinquedos de montar, educativos e jogos em grupo que tirem a criança do celular, que a façam interagir com a família e os amigos”. De acordo com a empresária, ainda são muitos os pais que buscam o caminho mais cômodo de oferecer celulares aos pequenos, “já vi muitos pais falando que não querem tirar o celular dos filhos porque não querem ter trabalho com eles, dão os celulares de última geração às crianças, há aqueles que incentivam mesmo, infelizmente é assim”. Entretanto, também são muitos os adultos nostálgicos que procuram a loja em busca de brinquedos de sua infância, como Dama, Detetive, Banco Imobiliário, Barbie e Pogobol. “Esses brinquedos são clássicos e são muito vendidos, bonecas como a Barbie, por exemplo, nunca deixaram de fazer sucesso, há mais de 50 anos são as mais vendidas e isso não deve mudar”.

Malefícios do excesso de tecnologia

A tecnologia, quando dosada, não é ruim, ao contrário, é construtiva para o aprendizado. Os perigos estão no uso excessivo, conforme revelam inúmeras pesquisas. Uma das mais notórias é a do neurocientista francês Michel Desmurget, diretor de pesquisa do Instituto Nacional de Saúde da França, que escreveu o livro “A Fábrica de Cretinos Digitais”. Na obra ele apresenta dados concretos sobre como o desenvolvimento neural de crianças e jovens tem sido afetado pelo uso desmedido de dispositivos eletrônicos. Segundo ele, testes de QI (Quociente de Inteligência) têm apontado que as novas gerações são menos inteligentes que as anteriores. A sugestão de especialistas é dosar o tempo de uso e incentivar as crianças a terem outras atividades, como brincar ao ar livre e passatempos que incluam jogos de cartas, pinturas, desenhos e esportes. Algumas febres entre os pequenos, como o slime e os mais recentes pop it têm se mostrado alternativas modernas para driblar os smartphones.

Compartilhe nas redes sociais

Conteúdo patrocinado

Essa publicação é de responsabilidade do autor  não sendo de responsabilidade do portal.

Últimas notícias

Mais notícias

Thammy vence preconceito e representa o poder das mulheres no brega-funk

Criptomoedas não deverão sofrer impactos da Reforma Tributária segundo influencer de investimentos Antônio Neto AIS

Olivia Pope Brasileira? Brasileira faz sucesso como gerenciadora de crises

Modelo destaca empoderamento na ponta dos cachos

Fadinha do Skate, Rayssa Leal, de Imperatriz-MA é esperança do Brasil nas Olimpíadas de Tóquio

Miss Universe Trans, Luanna Isabelly, e Comitiva do Brasil Chegam a Porto Alegre em Triunfo Histórico

Pop It representam 45% das vendas, afirma proprietária da My Toy Brinquedos

Thadeu Torres é o 4º Eliminado do Reality Bar Aberto no Multishow

Brasileiro radicado nos EUA, Igor Alves faz sucesso no ramo imobiliário

“Ninguém deve ditar como o outro deve ser, agir ou pensar. Isso é doentio, causa traumas e pode até matar pessoas” Contou Suh Marcelino